quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Ao futuro amor


Faço um convite para que entre e sinta-se à vontade. Não repare se encontrar algumas coisas fora do lugar, as histórias que passaram por aqui mexeram na ordem natural das coisas, bagunçaram meu norte e achar o eixo, às vezes pode ser tempestuoso.Mas não tenha medo, não, pode confiar em mim, eu não fujo do que é real e inteiro e também não quero que fuja. Fique! E permita ver por entre as frestas do meu sorriso. Fique! E permita-se envergonhar ao fitar o meu olhar. Eu tenho construído dia após dia, um lugar doce e sereno pra você morar. Deixe acarinhar seu rosto, até o sono tomar conta de você e faça do meu colo o seu abrigo até o amanhecer

quarta-feira, 24 de outubro de 2018

Peito ébrio

Dentro de mim
Ele me desafia
Penetra na minha alma
Me sacia

Mata minha sede
Instiga meu desejo
Destila o fulgor sobejo

E quando o corpo cansa
Das suas investidas insólitas
Palpita sóbrio meu coração

sábado, 20 de outubro de 2018

A persona misteriosa



De tez sisuda
E pensamento distante
De palavras miúdas
E idéias penetrantes

Teu olhar é um mistério
Tua vida um labirinto
De veredas sinuosas
E desejo etéreo

Tua lábia de mulheres mil
Teu corpo intenso e viril
Desnorteia meus sentidos
E fico frágil a tuas armadilhas



Ana Carolina Alencar



quarta-feira, 4 de julho de 2018

Um homem só dá valor a uma mulher quando perde



O seu encanto mora na inocência desapercebida
Diante da intenção maliciosa
No seu cuidar cauteloso
Na sua forma desprendida de amar
Na sua loucura doida da madrugada
Vem da sua intensidade em sentir
E no seu gemido contindo

Sua beleza mora na delicadeza que desenha seu universo
Na forma como não nota sua formosura estonteante
Mora no batom vermelho que delineia seus lábios
E borra os meus

Ah! E quão grande é o desassossego
De te ter deixado escapar entre os meus dedos


segunda-feira, 11 de junho de 2018

Amores possíveis

Como deve ser plena a sensação de um amor correspondido 

Como deve ser doce o beijo das bocas ávidas em amar 

E que aconchego traz o abraço que pousa o coração a pulsar

O sorriso que se desenha na vergonha do olhar

Como deve ser lindo a beleza de rabiscar as entrelinhas de amar

E as entranhas abusadas que se sossegam ao se regojizar 

Ah! Que coisinha assanhada e atrevida é a arte de viver o que é ser amado

sábado, 10 de março de 2018

Serendipity - Enxergar pontes onde os outros viam buracos


Eles não sabiam. Parecia tudo dar errado, mas incrivelmente havia sempre uma situação que ligava um ao outro. Nas adversidades do universo a resposta óbvia era que um não haveria para o outro. Mas intuitivamente existia algo, inexplicável e inquebrantável que os faziam permanecer ali,estáticos, presos a mesma história.Era mais do que a verdade poderia comportar. Era algo que a razão não poderia explicar. Um pensava no outro. E embora quisessem negar, mudar rumos, se afastar, fugir dos sentimentos, no fundo, estavam ali um para o outro. E era engraçado, porque todos, até eles mesmos não viam possibilidade daquilo funcionar. E mesmo convencidos que não havia mais nada para se extrair, voltavam os dois, bicudos, a se encontrar.

Até que um dia, em plena escuridão, nos remendos que a vida dá, não cabia mais lutar em vão. E os dois ,enfim,  se renderam ao que o acaso viera sempre chamar de destino.

domingo, 4 de fevereiro de 2018

Carta a um amigo

Ei, 
Senta aqui do meu lado, vamos tomar um café e eu vou te dizer o porquê das minhas atitudes que você sempre se questionou e nunca esteve aberto a ouvir
Pegue um expresso e um doce, saboreie o contraste do adocicado na boca e o amargo. Deixe as horas voarem na leveza da nossa conversa descontraída, desse nosso encontro casual.
Olha o dia ensolarado lá fora, da manhã que sorri para nós. Não tem medo não, sempre fui assim convidativa. Não tem mágoa, nem raiva e nem tristeza. Só a beleza do amanhã.
Sabe, talvez seja difícil pra você entender meu mundo de tantas profundidades, de tantas doações. Não sei qual sua experiência de vida, nem os dissabores que teve de provar, mas sei que para muitos receber um carinho tão honesto e desprovido de interesse é estranho. Em um mundo baseado no “toma lá dá cá” , quando surge alguém tão fora da curva de Gauss é complicado lidar.
Mas eu, meu caro, sou diferente das outras em quem tem costume de tratar. Te ofereço delicadeza e bondade  sem nem mesmo esperar  a gratidão. 
Porque aprendi que amar é cuidar, é tratar as feridas até mesmo dos terrenos mais inóspitos como o teu.
E não necessariamente implica em querer que esta pessoa faça parte da sua vida.
Porque relacionamento é outra coisa bem distinta do amor!
E eu , querido, só tenho a agradecer a tua ingratidão, pois sem ela, eu jamais enxergaria a discrepância dos nossos conceitos.Vivo num universo grato em que é comum a gentileza a amiga sem que seja necessário um vínculo rotulado, recebo sempre carinhos aleatoriamente e sou muito grata por isso. E você, absorto nessa sua mesquinhez egocêntrica ( desculpe a franqueza, e tente despir o teor ofensivo do meu comentário), está cego e não vê a preciosidade que o destino colocou em seu caminho.
Algo que leva você a rever teus conceitos a sua incongruência em solicitar ajuda e ser seletivo com que lhe é fornecido e que faz amadurecer.
Mas não preocupa não! Tua rispidez doeu, mas a vida é muito maior e não sou de prender e sim soltar.
Porque sou passáro em busca de pousar em mãos que acarinhe minha alma e não roube minha liberdade 
Ainda é cedo,
Mas quando cair em si e ver o sopro de bemaventuraça  que deixou partir será tarde e o único gosto que terás em tua boca é daquilo que poderia ter sido e não foi
No mais siga em paz 
E até breve rapaz