quarta-feira, 22 de junho de 2011

NUM TEMPO QUALQUER

Numa tarde qualquer
Os carros passam
As crianças correm
E os adultos prendem-se em si

Numa tarde qualquer
Você, hoje solto de mim,
Lembrará do meu nome
E descobrirá o amor
Que o tempo guardou

Em um lugar qualquer
Buscará meu olhar
Que no tempo se perdeu

Em um lugar qualquer
Arrepender-se- á de um dia
Ter negado o amor que era só seu!

ANA CAROLINA ALENCAR

Nenhum comentário:

Postar um comentário