domingo, 30 de outubro de 2016

PRECISAMOS FALAR SOBRE O MACHISMO

Já faz um tempo essa questão tem sido recorrente na vida e tem me incomodado bastante, tenho evitado me manifestar nas redes sociais sobre o assunto, porque ,de fato, não estava preparada para ouvir certos comentários preconceituosos do tipo " Mal comida", " feminista azeda", " coisas de encalhada".

O fato é que a nossa sociedade é muito agressiva com as mulheres e acho que em todos os sentidos. Todos os dias somos bombardeadas com padrões de beleza, comportamento que devemos ter ou até ridicularizamos escolhas que deviam ser pessoais, nos deixamos nos levar por falácias que não vemos o quanto isso pode ser nocivo a nós mesmos.
Não há respeito pela nossa autonomia somos vadias demais, recatadas demais, submissas demais, independentes demais, mal amadas, mal comidas  enfim...

Outro dia sai com uma amiga e tive o desprazer de ouvir que homem quanto mais velho fica mais interessante e que a mulher depois dos 35 anos já não servia mais. Acho terrível ser tratada com tanto descaso, a ponto de todos meus sentimentos, minha personalidade, minha essência serem descartados aos 35 anos ( auge da vida) por uma parcela de gente, que pode não me considerar sexualmente atraente aos 35 anos ou mais. E o pior é que eu sei que isso não é uma opinião isolada.

Há alguns dias, li diversos textos, e até me deparei com uma nova modalidade profissional os chamados "Coach de relacionamentos" em que 90% dos textos, vídeos e "whatever" são ensinamentos de como uma mulher deve se adequar para conquistar o homem que queira, aconselhando comportamentos que nós deveremos adotar para conquistar o "tal" o homem desejado. Acho um absurdo pessoas se aproveitarem da carências e sofrimento das outras pessoas para lucrarem com isso, ditando regras que anulam a essência da mulher e a massificam, transformando-a em mera mercadoria.Deplorável.
Um outro assunto recorrente entre minha roda de amigos foi a questão da insistência. Para o homem é totalmente aceitável insistir quantas vezes achar necessário para ficar, transar e fazer o que quiser com a mulher. " Ele só está seguindo o seu instinto", e mesmo quando a insistência atinge o limiar da agressão moral, ainda assim é aceitável. Porque é tolerável que um homem não entenda um " não" como um " não " mesmo? Não necessariamente a garota está fazendo " cú doce" para algumas coisas, não é perfeitamente plausível que ela simplesmente não queira de verdade fazer determinada coisa e isso não tenha nada a ver com inseguraça, autoestima ou qualquer coisa do gênero?
Mas por um outro lado, se é mulher quem insiste em ficar, transar ou fazer qualquer coisa com um homem ela não passa de uma chata, desesperada, grudenta, sem amor próprio. Não passa pela cabeça de um homem que talvez ela também só esteja seguindo seus instintos? Que isso talvez nem haja sentimento envolvido? Da possibilidade de vivenciar um momento espontâneo sem que isso signifique um compromisso? E porque não pode ser algo natural?

E mesmo que a pessoa goste ? Não é bom alguém gostar de você? A pessoa que enxerga suas melhores qualidades e minimize seus defeitos? Talvez  a essência humana seja desvalorizar quem realmente se importa com você, para correr atrás de quem não faz questão da sua presença e até prefere humilhá-lo. Porque depreciar uma mulher que sabe o que quer e vai atrás? Preferem rastejar por mulheres indiferentes que assumem postura "frigida" diante da menor intenção do rapaz e que fornecem apenas migalhas de demonstração de interesse?

Enfim, a única coisa que me consola nesse machismo todo que homens defendem com afinco, é que se um homem deixar de ficar com uma mulher bonita e atraente ou é viado ou inseguro por ter dotes pequenos

Nenhum comentário:

Postar um comentário