domingo, 4 de setembro de 2016

A hora da partida

É estranho como o tempo faz mudar as coisas, e as vezes algo que nos era essencial já não nos servem mais. Alguns encantamentos são como brisa, desnorteiam nossos sentidos e depois passa, voando ao longe. Tem momentos que não conseguimos enxergar a nossa vida distante de alguém, e com o tempo, esses momentos abrem espaço para um caminho em que essa pessoa não lhe cabe mais. Isso não quer dizer que ela seja menos importante ou menos especial, apenas que deixa de ter e ser razão em si.

Um dia alguém me disse que as coisas se encaixam do jeito que tem ser, a principio achei que era uma maneira de se esquivar da própria vontade, mas depois vi que a vida segue um fluxo que a gente não consegue conter, as vezes as coisas acontecem e funcionam, outras não.
Tentar entender o porque de tudo é apenas um modo de prolongar o sofrimento daquilo que não dá certo, quando na verdade, com o tempo, os fatos clareiam e as explicações vêm espontâneas.

A gente amadurece sabe, tem horas que as ilusões desapegam e vão morar no universo das lembranças, os momentos ruins se apagam e fica só o saudosismo das alegrias instantâneas. A gente deixa ir, deixa a distância se aconchegar no peito, e tudo bem se o coração do outro for se abrigar em outro lugar.

A vida é assim né, uma metamorfose insanamente constante . Então, deixe o vento levar... E na leveza do compasso desfazer o abraço e guardar na memória uma bela história de quem te fez sorrir

Nenhum comentário:

Postar um comentário