sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Passarinho

Naquela Tarde
Minha mente vagava
Tão distante

Que nem vi como seus olhos
Caminhavam sobre meu corpo
Não notei o seu desconforto
No acaso do encontro
Do nosso olhar

Naquela Tarde
Meus ouvidos surdos
Ignoraram a canção
Que docemente
Dedilhou os acordes
Ao meu coração

Naquela Tarde
Suspirava tão tristemente saudade
E o amor de verdade
A espreita de mim

2 comentários:

  1. Muito bom! Amor e saudade se apresentam sempre muito bem em todas receitas poéticas. Parabéns!

    ResponderExcluir