segunda-feira, 30 de março de 2015

Tristeza



Mais uma vez me deparo com ela
Com a velha anciã de todas minhas desavenças
Aquela que se debruçou sobre mim
Com o pesar do teu olhar

A velha conhecida que te afastou de mim
Que me arrancou do teu colo
Me pôs em gélidos penar

A culpa foi minha, eu sei
De calar-me quando queria dizer
De vingar de ti todo o descaso que presumi

Mas se me aceitares de volta
Sem tanto desbotamento
Sem desaparecimento

Essa carrasca irá sumir
E poderei ver a luz da praia
Na doçura da brisa
Que a ti sonhei

Nenhum comentário:

Postar um comentário