quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Carta de amor para ele



Eu sou aquela perdida
Que teima em te amar
Sou a insandecida
Que se afoga no teu toque de ternura

E fecha os olhos de arrepiar 
Do lembrar do teu sorriso

Sou a que te espera
Branquinho
Mesmo sabendo que nunca Virás

Sou o descompasso da realidade
Aquela pertubada do teu silêncio

A que pede a Deus
Em meio a dor fina
Que te traga ,assim de Mansinho,
Para sempre ficar 






Nenhum comentário:

Postar um comentário