quarta-feira, 27 de julho de 2011

BREVE DESATINO

               
                   Não deixe o acaso
                   Ser mero engano
                   Não permita só a dor
                   Embalar o meu sono

                   Não deixe o destino
                   Ser meu breve desatino
                   Ao apagar a minha trilha
                   Da sua estrada

                   Não deixe nosso ledo encontro
                   Torna-se leviano
                   E ainda que frívolo e singelo
                   Seja  nosso amor
                   Faça de mim
                   A sua mulher

Ana Carolina Alencar

Nenhum comentário:

Postar um comentário